09 abril 2011

Cálculo cruel


Sessenta e seis tantas vezes nada, vazio, ninguém.
Sessenta e seis vezes planejados
Calculados, Cruel execução.
Uma mente muitas vezes doente,
Outras tantas alucinação,
Sessenta e seis disparos, uma estúpida explicação.
Sessenta e seis vezes menos doze.


Doze sorrisos calados,
Doze sonhos arrancados
Dez bailarinas, talvez
Poetas, talvez dois.


Doze mães de mãos vazias
Doze dores, doze prantos
Doze vezes doze, vezes doze
Dores, lágrimas, Solidão.


Liliana Miranda
09.04.2011

3 comentários:

Salomão disse...

Análise SENSÍVEL e BRILHANTE, mas infelizmente uma REALIDADE desse nosso MUNDO GLOBALIZADO. TRISTE...

Diego Schaun disse...

Olá, sou Diego Schaun, poeta e músico baiano. Forte abraço! Adorei teus escritos!

(músicas)http://palcomp3.comn/diegoschaun
(blog) http://diegoschaun.blogspot.com (twitter) @diegoschaun

Raymundo Júnior disse...

Até quando conviveremos com isso, até quando seremos escravos.

Que Deus abençoe essas famílias.


Parabéns Liliana, EXPRESSIVO!