10 agosto 2010

CASULO
Nei Duclós*





A lente não capta
o verdadeiro traço
Do retrato oposto
Ao que és de fato
É preciso olho
Para enxergar-te
Flor que emerge
No fim do verbo
Rompes, rosa,
promessa escassa
contra o espinho
que nos cerca
Improviso o cálice
de remota carga
abrigo vivo
de uma perda
Cubro de pétala
o tempo amargo
Rompo a pele
de um esporo
Coração de pedra
medra no sinal
vermelho, vaso
pronto na véspera
Espero outro sopro
do mesmo inverno
na manhã que [...]

2 comentários:

Espaço Aberto disse...

Olá!
Pensou que havíamos nos esquecido de você?
Nada disso... Por isso, estamos aqui outra vez!
Viemos convidá-lo para ver como ficou a nossa interação na construção de um poema com o nosso grande e imortal poeta, Vinícius de Moraes.
Estamos ansiosos para saber o que você achou do poema.
Receba o nosso abraço carinhoso

Vieira Calado disse...

Passei para deixar os meus cumprimentos.